O Camões de João de Barros

A inaugurar um espaço regular de  memórias de crianças de outros tempos para as crias do futuro, propomos agora um exercício de releitura de “’Os lusíadas’ de Luís de Camões contados às crianças e  lembrados ao povo”, a adaptação em prosa do pedagogo, poeta e político João de Barros (1881-1960) do clássico da literatura portuguesa.

 

Numa era de adaptações, de adaptações das adaptações, de versões das versões, as palavras de João de Barros no prefácio da obra parecem-nos quase ingénuas:      “O autor desta quase literal adaptação dos ‘Lusíadas’ reconhece – apesar do respeito, do cuidado e do carinho que pôs na delícadíssima tarefa – que ela é de qualquer modo sacrílega”. Uma saudável deferência pela obra intocável que seria substituída pela legitimidade abusiva da condensação rápida, pelo resumo descuidado e pela  presença fragmentada e desconexa em posteriores manuais de qualidade muito duvidosa.

 

Hoje é dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. Talvez as ilustrações de André Letria, na edição de 2009 da Sá da Costa, ajudem a ler João de Barros que leu Camões. Camões morreu. Viva Camões!

 

Paula Pina

Advertisements

2 Comments

Filed under Literatura, Ram Ram

2 responses to “O Camões de João de Barros

  1. Celina

    Ainda hoje, 50 anos depois) tenho presente a emoção da leitura desta adaptação e o arrepio da visão das ilustraçõe- li-o e re-li-o vezes sem conta.
    Boa lembrança

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s