“O que vês dessa janela?”, de Isabel Minhós Martins e Madalena Matoso

 

Não é uma janela qualquer. “Essa” janela, a que se referem a escritora Isabel Minhós Martins e a ilustradora Madalena Matoso, é a janela que, do Museu da Luz, planamente enquadra o olhar sobre a paisagem alentejana que, há quase dez anos, aninhava ainda a pequena Aldeia da Luz, desaparecida sob as águas da barragem do Alqueva. Nessa altura, a Aldeia da Luz protagonizou incontáveis títulos de jornais: a “tragédia” da aldeia devorada pela escancarada bocarra da civilização, deglutida pelo progresso. Multiplicaram-se histórias, reportagens, entrevistas. Polémicas, reflexões, discussões, dúvidas, protestos. Vozes embargadas, lágrimas incontidas e contagiosas. Já se passaram nove anos.

Assinalando a data, a E.D.I.A. (Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva, S.A.), através do Museu da Luz, encomenda à editora Planeta Tangerina um livro para crianças. O objetivo seria dar a conhecer às crianças alentejanas, muitas delas nascidas já depois de concluído o processo, esta história: a génese, o projeto, as dúvidas, os avanços e recuos, o esperado e temido início das obras, a atenção voraz dos media, o turismo curioso e intrometido, até à demolição das casas e mudança definitiva, de vivos e mortos, pessoas e animais, para essa “nova Aldeia da Luz”, construída propositada e modelarmente para acolher uns habitantes tão especiais.

 

 

Nesta obra, texto e imagem funcionam em íntima parceria, a ilustração ora graficamente condensando páginas de texto, em tipográficos cabeçalhos-resumo, em frases-chave, ora ampliando a história, enchendo-a ainda com mais detalhes e novas perspetivas: do retrato familiar de piquenique aos instantâneos nostálgicos de humanos e animais, dos planos topográficos (mais técnicos nas guardas…) aos planos aéreos geometrizantes, criativos e sofisticados.

 

 

“O que vês dessa janela?” é uma aventura épica, coletiva, protagonizada por uma comunidade. Os sentimentos dessa comunidade são condensados na voz de primeira pessoa de uma entidade natural, antiga e mágica – um pinheiro. Num longo monólogo memorialista, simultaneamente distante e entrosado, omnisciente e sábio, expressa os medos e dificuldades, as angústias e incertezas, os planos e as esperanças de uma população. Com quem conversa? Com uma criança, uma menina, descobrimos nós no final, mas que representa, afinal, todas as crianças, as da aldeia e as do mundo (que são hoje, provavelmente e cada vez mais, uma e a mesma coisa, ou não?).

 

livro “O que vês dessa janela?”, de Isabel Minhós Martins [texto] e Madalena Matoso [ilustrações]
Museu da Luz / Planeta Tangerina, 2011
[a partir dos 7 anos]

 

Paula Pina

Advertisements

Leave a comment

Filed under Ilustração, Literatura

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s