“Amordiscadelas”, de Moni Pérez

capa amordiscadelas

 

“Desenhar é colher migalhas de realidade para mordiscar, cheirar, bisbilhotar, roubar e coser depois numa folha de papel. Ou de árvore, como preferirmos. E, claro: desenhar é jogar.” São exatamente mordiscadelas, pedacinhos de realidade pessoal e autobiográfica despretensiosa, que encontramos nesta sequência de cenas selecionadas que refletem, de forma condensada e irónica, a complexidade icónica daquele que pode ser universalmente apelidado como “o sentimento”. Começando com o próprio jogo de palavras do título (“Amordiscos”, uma edição original de 2008), a jovem ilustradora freelancer espanhola Moni Pérez consegue abandonar o seu registo habitual de trabalho e surpreender o leitor com este livrinho estilo cartoon, sem palavras, com traços simples a negro e pinceladas de aguarela vermelha. Pejado de referências cinematográficas (homenagens a clássicos como “Serenata à chuva”, “E.T. – O extraterrestre” ou “Beleza americana”), recorrendo à colagem de episódios quotidianos e/ou ilustrando expressões, exemplos ou advertências, com os quais os leitores rapidamente se identificam, ora pelo seu simbolismo ora pela sua literalidade e expressividade, “Amordiscadelas” funciona sobretudo como um exemplo do que pode ser o humor sobre o amor, perspetivado no feminino.

 

livro “Amordiscadelas”, Moni Pérez
Faktoria K de Livros / Kalandraka, 2013
[a partir dos 12 anos]

 

Paula Pina

Advertisements

Leave a comment

Filed under Ilustração, Literatura

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s