Celebrando o 25 de abril na literatura para crianças e jovens

antonio jorge goncalves salgueiro maia o homem do tanque da liberdade

 

“A revolução dos cravos”, entre contos e poemas, ilustrações e fotografias, continua a cativar escritores e ilustradores. As dimensões míticas que se agigantam em torno desse histórico acontecimento e a sua urgente centralidade parecem refletir-se com grande rapidez e dinamismo no panorama da literatura para crianças e jovens, pelo menos desde as pioneiras obras dos canónicos Sidónio Muralha, António Torrado, Alice Vieira, José Jorge Letria, Mário Castrim ou Manuel António Pina. Não resultando necessariamente de encomendas destinadas a celebrar o acontecimento e seus protagonistas, esgueirando-se por entre pretensos didatismos ou Planos Nacionais de Leitura, destacamos hoje algumas obras emblemáticas, reedições e novas publicações em redor do tema.

 

capa livro livre

 

Pela originalidade das propostas de coconstrução da obra com o leitor, o “Livro livre”, do historiador Francisco Bairrão Ruivo, com ilustrações de Danuta Wojciechowska e Joana Paz, pela editora Lupa, cujo projeto editorial se impõe hoje também pela qualidade e paixão com que olha o património português; Alexandre Honrado, uma das vozes mais livres, sensíveis, irónicas e criativas da literatura para crianças e jovens, com a obra “25 de abrir” (da editora Verbo, com ilustrações de Maria João Lopes), celebrará igualmente uma longa e excecional carreira literária; um dos volumes inaugurais da coleção Grandes Vidas Portuguesas, da editora Pato Lógico e da Imprensa Nacional Casa da Moeda, apresenta a biografia do capitão Salgueiro Maia: “O homem do tanque da liberdade”, com texto de José Jorge Letria e as ilustrações sempre memoráveis de António Jorge Gonçalves; também André Letria ilustrará “Abril”, de José Jorge Letria, um misto de livro-abecedário e caderno de atividades, com lançamento previsto para a Feira do Livro.

 

capa salgueiro maia o homem do tanque da liberdade

 

Entre outras novidades deste ano, podemos apontar ainda “A escola e os cravos”, da autoria da professora Luísa Lobão Moniz, com ilustração de Rita Moniz, pela editora Teodolito. A Editorial Caminho apostará na reedição de “História de uma flor”, de Matilde Rosa Araújo (com ilustrações de João Fazenda), “Romance do 25 de abril”, do poeta e crítico João Pedro Mésseder (com Alex Gozblau como responsável pela ilustração), e ainda “Vinte cinco a sete vozes”, de Alice Vieira (também em formato ebook). A editora Gailivro edita “7 x 25 histórias de liberdade”, de Margarida Fonseca Santos (ilustradas por Inês do Carmo). Muito esperada ainda é a reedição de “O rapaz da bicicleta azul”, de Álvaro Magalhães, com ilustrações da talentosa Marta Madureira, a cargo da editora Asa.

 

joao abel manta

 

Para lembrar como foi sendo visto por autores e ilustradores este memorável dia de há 40 anos, vale a pena reler:

“História de uma flor” in “A velha do bosque”, de Matilde Rosa Araújo [Livros Horizonte, 1983]
“O caso da Rua Jau”, de Mário Castrim [Campo das Letras, 1999]
“Outras maneiras de contar a mesma história”, de Maria Manuela Cruzeiro e António José Monteiro [Editorial Notícias, 2000]
“O soldado e o capitão, os cravos e o povão”, de Valdemar Cruz [Campo das Letras, 1998]
“Capitães de abril”, de José Jorge Letria [Âmbar, 1999]
“Era uma vez um cravo”, de José Jorge Letria [Câmara Municipal de Lisboa, 1999]
“O 25 de abril contado às crianças… e aos outros” (com históricas ilustrações de João Abel Manta), de José Jorge Letria [Terramar, 1999]
“Viagem à flor de um mês”, de José Jorge Letria [Campo das Letras, 2002]
“Zeca Afonso e a malta das cantigas”, de José Jorge Letria [Terramar, 2002]
“Salgueiro Maia – O homem do tanque da liberdade”, de José Jorge Letria [Terramar, 2004]
“Letras & Letrias”, de José Jorge Letria [Dom Quixote, 2005]
“25 de abril – Quase como um conto de fadas”, de Conceição Lopes e Carlos Barradas [Associação dos Municípios do Distrito de Setúbal, 1984]
“O rapaz da bicicleta azul”, de Álvaro Magalhães [Campo das Letras, 2004]
“L.A. e cª no meio da revolução”, de Maria Mata [Civilização, 1996]
“Catarina de todos nós”, de Sidónio Muralha [Editorial Caminho, 1979]
“O tesouro”, de Manuel António Pina [April / Associação 25 de Abril, 1993]
“Bichos de abril”, de Carlos Pinhão [Editorial Caminho, 1977]
“Vassourinha”, de António Torrado [Campo das Letras, 2001]
“Fábula dos feijões cinzentos”, de José Vaz [Campo das Letras, 2000]
“A revolução das letras – O 25 de abril explicado às crianças”, de Alberto Vieira [Campo das Letras, 2004]
“Vinte cinco a sete vozes”, de Alice Vieira [Caminho, 1999]

Talvez seja a literatura ainda, sobretudo esta, dizem, destinada aos mais pequenos, o lugar (pouco original, é claro) onde ainda é permitido não ter medo.

 

Paula Pina

Advertisements

Leave a comment

Filed under Ilustração, Literatura, Ram Ram

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s