H de Haddock

captain haddock 1

 

Personagem secundária de um incontornável universo imagético literário, visual e cultural do século XX: a internacionalíssima coleção de banda desenhada Tintin, a preferida do seu genial criador Hergé (Georges Remi, 1907 / 1983). Talvez inspirada em Edgar P. Jacobs (autor de Blake & Mortimer), em Bob de Moor ou num irmão militar de Hergé, nem os críticos e especialistas estão de acordo quanto às origens deste anti-herói que tantas vezes rouba protagonismo ao jovem repórter. Apesar de ter nascido na 15ª edição da revista Le Soir Jeunesse (2 de janeiro de 1941), apenas na nona aventura, “O caranguejo das pinças de ouro” (1941), assume as funções de capitão do cargueiro Karaboudjan, sofrendo com delirium tremens e com alucinações em formato de garrafas de whisky Loch Lomond. Só em “Tintim e os pícaros”, em 1976, ficamos a saber que o seu nome próprio é Archibald.

Personagem complexa e controversa, a merecer a atenção prolífera, muitas vezes acusatória, de especialistas das mais diversas áreas (médicos, psiquiatras e psicanalistas, filósofos, linguistas, biógrafos, críticos e tintinófilos), o Capitão Haddock sofre de múltiplas patologias: alucinações, falhas de memória, perturbações de visão e alcoolismo. Tem propensão para o acidente e é irascível e temperamental. Mas, com mil milhões de macacos, Haddock é também a personagem mais deliciosamente malcriada e cavalheiresca, generosa, mal humorada, leal, distraída, cómica, corajosa, viciada, rude, nobre, paternal, fanfarrona, imaginativa, poética, bondosa, humana, pluridimensional e inesquecível do universo da banda desenhada (enquanto literatura, ilustração e texto contando uma história, em inextricável ligação).

 

captain haddock 2

 

O registo discursivo haddockiano gora sistematicamente as expetativas do desprevenido leitor: à rudeza convencional do linguajar dos marinheiros sobrepõe-se a mestria das imprecações mais enfáticas, dos mais bizarros palavrões, de científicos insultos, de invetivas eruditas e musicais, de injúrias operísticas, de ofensas misteriosas e sofisticadas; cultor da arte do insulto, em explosões intrincadas, criador de neologismos, arcaísmos e de outros termos merecedores de rigorosa exegese e investigação comparativa em estudos de tradução. Os diálogos magistrais, de uma expressividade vigorosa e cénica, os júbilos imagéticos, as sonoras onomatopeias barrocas e as inesperadas metáforas, em nuances surrealistas, tornaram desafiadora a tarefa de tradução, hoje em dezenas de línguas, mas expandem o longo e fabuloso glossário.

Nota: dedicamos esta entrada aos ectoplasmas, protozoários, mamelucos, zuavos, fariseus, catacreses, anacolutos e apotegmas, bibelôs, cataplasmas, brontossauros, canibais emplumados, polichinelos grotescos, extratos de hidrocarboneto, piratas de água doce e afins que porventura dúvidas possam ter acerca dos benefícios linguísticos, nomeadamente sobre o impacto da leitura da obra de Hergé, no desenvolvimento da consciência fonológica e interlinguística, ou sobre os contributos da leitura de banda desenhada para a ampliação do léxico de crianças, jovens e adultos.

 

Paula Pina

 

versão integral de um texto originalmente publicado na revista Blimunda n.º 27, de agosto 2014

Advertisements

1 Comment

Filed under Ilustração, Literatura, Ram Ram

One response to “H de Haddock

  1. Chefe Índio

    Delícia de post!
    Com mil milhões de macacos!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s