Tag Archives: a partir dos 12 meses

Gabriela Albergaria na Vera Cortês Art Agency, Lisboa

gabriela albergaria european copper beech wave hill garden ny 2014

 

O corpus artístico que Gabriela Albergaria tem vindo a desenvolver nas últimas décadas tem uma coerência que evidencia um ímpeto entusiasta para explorar um tema até à sua exaustão. Certos trabalhos tiveram origem numa exploração concetual dos jardins e parques enquanto representações do nosso imaginário. No entanto, com esta parecem surgir outros problemas que lhe são extensíveis, tais como a Continue reading

Advertisements

Leave a comment

Filed under Artes plásticas

“Boa noite, mocho!”, de Pat Hutchins

capa boa noite mocho

 

Depois do fenomenal – e único! – “O passeio da Dona Rosa“, obra de estreia da autora e ilustradora Pat Hutchins (nascida em 1942), em 1968, eis que a Kalandraka nos oferece agora a reedição portuguesa de um seu outro clássico: “Boa noite, mocho!”, de 1972, que chega hoje às lojas. Felizmente, graças à excelente tradução de Carla Maia de Almeida, os leitores portugueses conseguem aceder à Continue reading

Leave a comment

Filed under Ilustração, Literatura

“Lisboa”, de David Pintor

capa lisboa

 

David Pintor está em Lisboa. Na verdade, o humorista gráfico, pintor e ilustrador premiado – conhecido em Portugal pelas obras “Nicomedes, o careca“, “Minimalário” e “Contos para meninos que adormecem logo a seguir”, todos da sua dupla Pinto & Chinto – está em Lisboa tanto quanto Lisboa está nele. Corremos aliás o risco de com ele nos cruzarmos numa Continue reading

Leave a comment

Filed under Ilustração, Literatura

Presente perfeito, pelo Dia Mundial da Criança 2013 [a partir dos 12 meses]

piri piri saia verde com bolinhas pormenor

 

Procuramos prodigiosos presentes propostos prá prole privilegiada – primorosas princesas ou principiantes prestidigitadores -, premissa prioritariamente projetada, protegida e promovida pelos prezados progenitores percetores Continue reading

Leave a comment

Filed under Brinquedos, Design, Ilustração, Música, Moda

Presente perfeito, pelo Natal 2012 [a partir dos 12 meses]

capa arturo pomenor

Como já se tornou um hábito, não poderíamos chegar ao Natal sem dizer “presente!” – por isso, aqui estamos com as nossas escolhas de presentes para distintos gostos e feitios, unidos pelas doses inesquecíveis de magia e beleza que acrescentarão ao sonho das crias que mais amamos. Continue reading

Leave a comment

Filed under Brinquedos, Cinema, Ilustração, Jogos, Literatura, Música, Moda

André Letria e a Pato Lógico

 

Cria livros que talvez nem sejam bem livros, mas “em todos há [sem dúvida] surpresas e [tanto, imenso] espaço para sonhar”. Ilustrador infantil assumido e premiado, com historial de mais de uma década, repartindo-se por trabalhos na imprensa, arriscando-se nos caminhos da cenografia e da animação (com “Pimpão, o acelera” e “Foxy e Meg”), André Letria parece ter levantado âncora, desfraldado velas, e navega agora, com a Continue reading

Leave a comment

Filed under Ilustração, Literatura

José Manuel Saraiva na Papa-Livros, Porto

 

A Papa-Livros, sedeada na culturalmente vibrante rua Miguel Bombarda, no Porto, recebe a partir do próximo sábado, 9 de junho, uma exposição de José Manuel Saraiva que agrupa as ilustrações para os poemas de Cesário Verde compilados na “Antologia poética” publicada no final do ano passado pela Faktoria K de Livros, uma Continue reading

Leave a comment

Filed under Ilustração, Literatura

Presente perfeito, pelo Dia Mundial da Criança 2012 [a partir dos 12 meses]

 

Entre uma ansiedade manifesta, que faz o coração transbordar de tamanha curiosidade, e um silêncio tímido, a expetativa por um Dia da Criança perfeito é comum. Por isso mesmo, e para que com as nossas crias possamos fazer perdurar esta celebração da vida que elas nos acrescentam, aqui se elencam as nossas escolhas de presentes para satisfazer a Continue reading

Leave a comment

Filed under Brinquedos, Dança, Ilustração, Literatura, Moda

David Pintor na Papa-Livros, Porto

 

Pode ser vista a partir de hoje (abertura agendada para as 3.30) e até ao final do mês de maio, na livraria Papa-Livros, Porto, uma exposição de um dos mais talentosos ilustradores ibéricos, David Pintor. A Kalandraka – que editou “Minimalário” e “Contos para meninos que adormecem logo a seguir” (livros partilhados com Carlos López, seu companheiro de longa data, e assinados com o nome artístico pelo qual a dupla é conhecida: Pinto & Chinto) – convida todos a estar presentes na sessão inaugural, que contará com a presença do autor espanhol. David Pintor começou por Continue reading

Leave a comment

Filed under Artes plásticas, Ilustração

Exposição “A cidade da muralha” no Centro para os Assuntos da Arte e Arquitetura, Guimarães

 

A fotografia é da década de 1920, mas as crianças parecem subtraídas a uma idade sem idade, a um tempo sem tempo, a uma idade suspensa no tempo. São alunas e Continue reading

Leave a comment

Filed under Fotografia, Ram Ram

Presente perfeito, pelo Natal 2011 [a partir dos 12 meses]

São escolhas do passado recente, são escolhas de presentes, mas são sobretudo escolhas de futuro. O Natal é só um (feliz) pretexto. Felizes pretextos para os vermos ainda mais felizes. Por agora, as nossas escolhas para bebés a partir dos 12 meses. Continue reading

Leave a comment

Filed under Brinquedos, Literatura, Música, Moda

“Todos fazemos tudo”, de Madalena Matoso

 

“Todos fazemos tudo” é o título escolhido para a edição portuguesa de “Et pourquoi pas toi?”, a última obra de Madalena Matoso, agora publicada pela Planeta Tangerina. Projeto original das Éditions Notari, o livro nasce de um concurso de criatividade promovido pelo município de Genebra, a cidade capital dos Direitos Humanos. Graças a este concurso, milhares de crianças de instituições do ensino pré-escolar, creches e jardins de infância, receberam exemplares gratuitos da obra.

Mais do que um livro, “Todos fazemos tudo” é um álbum puro e um jogo. Recorrendo à técnica tradicional do méli-melo, as páginas são cortadas ao meio: na parte superior surge a identidade, o rosto e tronco das personagens, e um cenário básico; na parte inferior, a ação que a personagem desempenha, a atividade profissional, de lazer ou doméstica, acompanhada por alguns elementos identificativos. A ilustração deixa de ilustrar, de acompanhar, de complementar, de acrescentar algo ao texto. Nesta obra, a ilustração é a narrativa que, sem palavras, nos permite refletir sobre os estereótipos sociais e sobre a igualdade de direitos e deveres, com uma eficácia mil vezes superior a quaisquer sermões ou moralismos, projetos ou preleções.

 

 

Para além de oferecer aos mais pequenos um valioso contacto gráfico inicial com as representações do mundo e com a variedade de papéis e tarefas possíveis para cada ser humano, “Todos fazemos tudo” retrata situações do quotidiano, facilita o reconhecimento de objetos e cenários, nomeia-os, e até conta uma, várias, muitas histórias. A leitura visual propicia a compreensão das relações possíveis entre cada página (ou pedacinhos de página). É um livro-jogo para o leitor, mas terá sido igualmente um jogo-quebra-cabeças para a autora. Para além de talento artístico, gráfico e concetual, a ilustração exigiu um raciocínio lógico de construção matemática para que todas as possibilidades de conjugação batessem certo, quais peças de um puzzle. Algumas páginas serão, decerto, mais bem conseguidas do que outras, mas as pequenas incongruências dão ainda mais encanto à obra. Procurar sentidos, formular hipóteses, criar percursos e mini-narrativas a cada mudança de página inesperada, identificar indícios que nos conduzam à decifração das atividades em causa (algumas mais convencionais, outras mais intrigantes), dialogar com a possibilidade de continuação do processo de construção de outras imagens, quer individual quer coletivo – “Todos fazemos tudo” poderá tornar-se uma presença significativa em qualquer contexto pedagógico, graças às possibilidades criativas que, quase sem esforço (aparente), sugere.

 

 

Embora claramente centrado num convencional modelo europeu de vida, e talvez precisamente por isso, pode constituir uma base de trabalho interessante, lançando novos desafios: como seria este livro se tivesse sido criado tendo em conta uma realidade geográfica diferente? E se tivesse surgido noutra época, mais ou menos distante? Como imaginamos que poderia ser esta obra dentro de cem anos?

O leitor é cocriador da obra, decidindo o rumo que deseja dar à narrativa visual: sou uma avó babada, mas posso ser campeã de surf; sou um cientista importante, mas não me posso esquecer de pendurar a roupa; sou mulher, mas conduzo um trator potente; sou homem, mas escovo com esmero o cabelo da minha filha; sou de raça caucasiana, mas os meus filhos são de raça negra… Se “Todos fazemos tudo”, “porque não tu”?

 

livro “Todos fazemos tudo”, de Madalena Matoso
Planeta Tangerina, 2011
[a partir dos 12 meses]

 

Paula Pina

Leave a comment

Filed under Ilustração, Literatura