Tag Archives: Pat Hutchins

“Boa noite, mocho!”, de Pat Hutchins

capa boa noite mocho

 

Depois do fenomenal – e único! – “O passeio da Dona Rosa“, obra de estreia da autora e ilustradora Pat Hutchins (nascida em 1942), em 1968, eis que a Kalandraka nos oferece agora a reedição portuguesa de um seu outro clássico: “Boa noite, mocho!”, de 1972, que chega hoje às lojas. Felizmente, graças à excelente tradução de Carla Maia de Almeida, os leitores portugueses conseguem aceder à Continue reading

Leave a comment

Filed under Ilustração, Literatura

2011 > essencial > literatura > livros > internacionais

 

Uma reflexão e sistematização do que a história fará perpetuar na produção criativa de determinado ano não é, em nosso entender, tarefa que possa ser devidamente cumprida ainda no decurso desse período ou, sequer, nos dias que se seguem ao seu fim. Por isso, sem as precipitações e as obsessões normativas que regem a quase totalidade das publicações culturais por este mundo dentro, optamos por deixar as obras que mais nos enriqueceram em 2011 assentar um pouco da sua intemporalidade nesta primeira meia dúzia de semanas de 2012 – e resumimos, desde ontem e nos próximos dias, o que nos parece ser a essência dessa colheita, os trabalhos aos quais o ano passado merece ficar efetivamente associado. Ao segundo passo desta pequena sequência de balanços, a produção literária infantojuvenil de autoria estrangeira que Continue reading

Leave a comment

Filed under Ilustração, Literatura

“O passeio da Dona Rosa”, de Pat Hutchins

 

“O passeio da Dona Rosa” (“Rosie’s walk”, de 1968) foi o primeiro álbum infantil da jovem ilustradora inglesa Pat Hutchins, então com 26 anos, e é hoje, muito justamente, considerado um clássico. Linguisticamente, o texto potencia a aprendizagem de preposições e advérbios, sequenciações e reelaborações, com resultados fantásticos em sala de aula, em casa e ao colo. A extrema concentração e inteligente brevidade circular do texto, revelando um ótimo sentido de encadeamento e dinâmica temporal, são largamente ampliadas pela elaboração gráfica. De facto, a simplicidade da obra é apenas aparente e funcional, já que a leitura que se nos oferece é dupla: seguimos a Continue reading

Leave a comment

Filed under Ilustração, Literatura